quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Turquia no Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa



O Cumplicidades – Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa vai decorrer entre 4 e 19 de Março numa dezena de espaços lisboetas.

Latitudes em Movimento é o mote genérico para esta edição do Cumplicidades, que abre o seu primeiro foco de programação internacional na direcção do Mediterrâneo, com a estreia nacional de obras de coreógrafos oriundos de Marrocos, do Egipto e da Turquia. 

O turco Mihran Tomasyan apresenta You’re Not a Fish After All, nos dias 15 e 16, na Rua das Gaivotas 6.

(Fonte: Público)

domingo, 4 de outubro de 2015

Filme falado em turco candidato a Óscar pela França


«Mustang» foi a produção francesa escolhida para a corrida ao Óscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira. A obra estreou na Quinzena dos Realizadores, no Festival de Cannes, e tem conquistado elogios unânimes da crítica gaulesa e uma bilheteira sólida no país - onde já foi visto por mais de 443 mil pessoas. 

A história desenrola-se numa pequena localidade no norte da Turquia e gira em torno de cinco irmãs que, ao regressarem a casa, brincam inocentemente com rapazes. No entanto, a sociedade conservadora onde vivem vê nisto "imoralidades" e a família irá impor medidas drásticas às raparigas, como casamentos arranjados, aos quais elas tentarão escapar para estarem juntas. O projeto da realizadora Deniz Gamze Ergüven concorreu também à Câmara d'Or (melhor filme estreante) em Cannes. 

O filme não tem data prevista para lançamento em Portugal, mas poderá ser visto na próxima edição da Festa do Cinema Francês, no dia 13 de outubro. 

A obra foi selecionada entre cinco outros projetos, que incluíam The Measure of a Man (La Loi du Marché), de Stephan Brizé, Summertime (La Belle Saison), de Catherine Corsini, Marguerite, de Xavier Giannoli e o vencedor da Palma d'Ouro deste ano, Deephan, de Jacques Audiard.

 

(Fonte: cinema.net)

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Música para piano e percussão de Rüya Taner e Dinçer Özer em Lisboa

Um duo de instrumentos vindo da Turquia apresenta-se amanhã à noite (20.00), no Teatro Thalia, às Laranjeiras.

Ela chama-se Rüya Taner e ele Dinçer Özer. Uma pianista e um percussionista. Amanhã, às 20.00, estes dois músicos turcos juntam-se no Teatro Thalia para um recital (organizado pela Embaixada da Turquia) com um programa muito variado.

Se for igual ao recital que deram há três meses no Steinway Hall, em Londres, há obras de autores turcos, como o conhecido Kamran Ince (n. 1960) ou o famoso pianista Fazil Say (n. 1970), e obras de pendor virtuosístico de autores da tradição ocidental, como Franz Liszt (1811-1886), Sergey Lyapunov (1859-1924) ou Claude Debussy (1862-1918).


Rüya Taner (o seu nome próprio significa "sonho" em turco) nasceu em Villingen-Schwenningen, no sul da Alemanha, no seio de uma família cipriota de etnia turca com tradições musicais. Fez estudos na Turquia (Ancara) e em Londres, na Guildhall School e na Royal Academy, onde se diplomou. Já actuou em mais de 70 países e a sua discografia inclui a gravação do seu recital de estreia no Wigmore Hall, em Londres. Hoje, para além de prosseguir carreira a solo, em música de câmara e como solista com orquestra, Taner ensina na Universidade do Mediterrâneo Oriental (em Famagusta), na parte turca de Chipre. Depois de Lisboa, Rüya irá a Kazan (Rússia), Macedónia e Copenhaga, terminando o ano em Esmirna (Turquia). Na próxima primavera, tocará em Berlim e na Sicília.

Dinçer Özer é um dos mais populares percussionistas turcos, com uma acção multifacetada, incluindo concertos pedagógicos. É membro da Orquestra Sinfónica Presidencial de Ancara, formação cuja história se funde com a antiga orquestra dos sultões otomanos, ocidentalizada por Maomé II em 1826. Quatro das peças de autores turcos em programa, incluindo a de Kamran Ince (Gates, para piano, de 2002) serão ouvidas em arranjos para percussão (ou incluindo-a) do próprio Özer. Nas peças que Rüya tocará, por seu lado, destacamos o raro Lesghinka, o n.º 10 dos 12 Estudos de Execução Transcendente, op. 11 que o russo Sergey Lyapunov dedicou à memória de Franz Liszt.

(Fonte: Diário de Notícias)

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Filme turco premiado em Melgaço


O realizador turco Kazım Oz, em longa-metragem, Mahdi Fleifel, da Palestina, em curta e média metragem, e Leonor Areal, pelo melhor documentário, foram os vencedores da primeira edição do prémio Jean Loup Passek, atribuído pelo festival cinematográfico de Melgaço.
Em comunicado hoje, a organização do festival "Filmes do Homem", que terminou no domingo naquela vila do Alto Minho - a cargo da câmara e da Associação de Produção e Animação Audiovisual (AO NORTE) -, adiantou que os filmes premiados foram "He Bu Tune Bu/Once Upon a Time", "Xenos" e "Aqui tem gente", respectivamente.
O filme do realizador turco "retrata uma família curda, pobre e numerosa, que deixa Batman com destino a Ancara para trabalhar nos campos agrícolas. Sem quaisquer benefícios e com salários muito baixos, a família trabalha para ganhar a vida, cultivando alface". O júri do festival destacou "a forma como ficciona o real dando corpo, com apurado sentido cinematográfico, a uma narrativa que logra transformar os protagonistas curdos em personagens num contexto em que as relações pessoais e familiares interagem com o pano de fundo revelador, na Turquia de hoje, da existência de relações sociais que perpetuam a servidão". Além do galardão, o realizador recebeu um prémio pecuniário, no valor de três mil euros. 
O prémio Jean Loup Passek, baptizado em homenagem ao crítico e programador de cinema francês que doou parte do seu espólio à Câmara de Melgaço, teve como júri Jorge Campos, Catarina Alves Costa, Jean-Loïc Portron, José Manuel Sande e Tiago Hespanha.
Durante os seis dias passaram por Melgaço 35 convidados, entre realizadores e produtores de cinema, investigadores, compositores e outras personalidades ligadas ao cinema e às migrações. Foram exibidos, no centro de Melgaço, nas freguesias do concelho e em Arbo, na Galiza, 25 filmes.
O programa do festival incluiu ainda, pela primeira vez, um curso de verão, intitulado "Fora de Campo", para reflexão e debate em torno do tema "Cinema e Migrações". Já as residências, cinematográfica e fotográfica, designadas "Plano Frontal", reuniram alunos de Cinema, Audiovisual, Comunicação e Fotografia que, durante nove dias, trabalharam na produção de documentários e trabalhos fotográficos sobre a região de Melgaço.
 
(Fonte: RTP)

terça-feira, 9 de junho de 2015

Filme turco "Kumun Tadı" eleito melhor longa metragem no festival de cinema "Olhares do Mediterrâneo"

 
 O filme Kumun Tadi, da turca Melisa Önel, venceu o prémio de melhor longa-metragem do festival Olhares do Mediterrâneo - Cinema no Feminino, que decorreu no cinema São Jorge, no âmbito das Festas de Lisboa.

O júri distinguiu ainda a curta-metragem Não são favas, são feijocas, da portuguesa Tânia Dinis. O filme This is my land, da francesaTamara Erde, venceu o Prémio do Público.
 
Constituíram o júri desta segunda edição do festival a investigadora Alejandra Rosenberg, o produtor Miguel Ribeiro, programador do DocLisboa, e a actriz Rita Durão.

Os prémios foram entregues pela ex-directora da Cinemateca Portuguesa Maria João Seixas, embaixadora do festival Olhares do Mediterrâneo 2015, que decorreu no âmbito das Festas de Lisboa.

A celebração do cinema no feminino é o objectivo do Festival Olhares do Mediterrâneo, que este ano apresentou, em parceria com a Cinemateca Portuguesa, perto de uma trintena de filmes realizados por mulheres de doze países mediterrânicos: Bósnia-Herzegovina, Egipto, Espanha, França, Grécia, Israel, Líbano, Malta, Palestina, Portugal, Turquia e Tunísia.

A produção portuguesa ocupou perto de um terço da programação, com obras de Joana Toste, Susanne Malorny, Margarida Madeira, Tânia Dinis, André Mendes, Andreia Neves e Laura Gonçalves.

(Fonte: Sábado)

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Folclore ribatejano na Turquia

Uma delegação do Festival Internacional de Folclore, Cultura e Artes do Concelho de Almeirim (FIFCA) vai estar na Turquia entre os dias 10 e 17 de Junho, a representar Portugal numa iniciativa ligada à preservação, promoção e desenvolvimento do turismo cultural entre vários países.Esta iniciativa, que vai reunir nove delegações internacionais, com as suas respetivas demonstrações de trajes, cantos e danças, realiza-se em Amasya, na zona norte da Turquia, e que é presença regular no festival que se realiza de dois em dois anos, no Ribatejo.A delegação portuguesa é composta por 15 elementos de Paço dos Negros, Benfica do Ribatejo e Santarém, representando vários quadrantes ligados à cultura ribatejana."Esta é a primeira experiência piloto no âmbito desta nova Associação FIFCA, que pretende promover internacionalmente todas as formas de cultura do concelho e da região, através da interacção entre associações locais e internacionais", explica um comunicado de imprensa da organização portuguesa, acrescentando que "o FIFCA, depois de uma fase embrionária através do Festival Internacional de Folclore de Almeirim, deu agora um passo decisivo na sua capacidade de afirmação regional ao constituir-se como uma associação cultural de âmbito mais abrangente". 

(Fonte: Rede Regional)

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Realizadora Margarida Cardoso em Ancara











Com o apoio da Embaixada de Portugal em Ancara e do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, a 18.ª Edição do Festival Internacional de Cinema Feminino de Ancara, um dos mais prestigiados festivais femininos da Europa e o único do género com prémio FIPRESCI, vai incluir no seu programa o último filme da realizadora portuguesa Margarida Cardoso, “Yvone Kane”.
Margarida Cardoso também escreveu o argumento do filme.





Sinopse: Depois de uma tragédia que lhe roubou a vontade de viver, Rita decide voltar a África, ao país onde cresceu, e reencontrar Sara, a sua mãe. Enquanto Sara vive os últimos dias da sua vida procurando encontrar um sentido para o seu passado, Rita decide investigar o percurso de Yvone Kane, uma ex-guerrilheira e activista política cuja coragem e determinação marcou várias gerações e cuja morte nunca ficou esclarecida. Porém, apesar dos esforços, nenhuma das duas parece conseguir a redenção de que necessita…
 
 Este é o 10.º Filme de Margarida Cardoso, que iniciou a sua carreira de realizadora em 1996 com o filme “Dois Dragões” e que já ganhou três prémios internacionais e foi nomeada para mais dois.
 
Margarida Cardoso estará em Ancara para participar no festival, que terá lugar entre 8 e 18 de Maio. 
 
Datas de exibição:
 
Segunda-feira, 11 de Maio, 12.15
Quinta-feira, 14 de Maio, 19.00
Sábado, 16 de Maio, 14.30
 
Trailer do filme: https://vimeo.com/110476123

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Portugal nas celebrações do dia da Europa na Turquia



O Dia da Europa vai ser festejado um pouco por toda a Turquia entre os dias 6 e 12 de Maio.

Portugal vai participar com um stand de informação em Ancara, e com a exibição de três filmes em diversas cidades turcas.

Stand de Portugal

Data: 9 de Maio, 11.00
Local: Seğmenler Park  -  Çankaya – Ankara
 
Filmes Portugueses

“Amália – O Filme”

 
Realizador: Carlos Coelho da Silva  -  Duração: 122’’
Sinopse: História da lenda do “Fado”, Amália Rodrigues.
 
Locais, datas e horários:
 
Erzurum (Cinetekno), 8 de Maio, 18.00
Şanliurfa (Piazza Shopping Mall), 9 de Maio, 16.00
Istambul (Haydarpaşha), 10 de Maio, 12.00

“Fantasia Lusitana”

 
Realizador: João Canijo  -  Duração: 66’’
 
Sinopse: Imagens e sons mostram a dualidade de Portugal durante a Segunda Guerra Mundial: um pacífico país rural, que constitui uma rota de escape para mais de uma centena de milhares de refugiados europeus para as Américas, e uma elite política que disfarçava as suas inclinações nazis o suficiente para poder jogar o seu papel neutro na política internacional.
 
Locais, Datas e Horários:
 
Gaziantep (Sankopark AVM), 9 de Maio, 18.00
Izmir (9 Eylul University), 9 de Maio, 14.00
Mersin (Forum AVM), 9 de Maio, 16.00

“48”

 
Realizadora: Susana de Sousa Dias  -  Duração: 92’’
 
Sinopse: A realizadora portuguesa Susana de Sousa Dias usa as imagens fotografadas e filmadas pela ditadura de Salazar, que durou quase meio século, de 1926 a 1974, para mostrar a história desses anos. Ela sobrepõe a propaganda oficial do dia-a-dia, para realçar o controlo que o regime autoritário exerce sobre todas as facetas da existência humana. 
 
Locais, Datas e Horários:
 
Izmir (9 Eylul University), 9 de Maio, 16.30

Mais informações aqui e no site da site da Embaixada de Portugal em Ancara.

sábado, 18 de abril de 2015

Cristina Branco em Ancara











Cristina Branco actua hoje em Ancara, na Sala de Espectáculos MEB Şura, no âmbito do 32.º Festival Internacional de Música de Ancara.
 
Pode comprar bilhetes aqui.