segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

"Edifício de Pedra", da romancista turca Aslı Erdoğan, lançado dia 15 em Lisboa


A romancista turca Aslı Erdoğan, cujo livro "O Edifício de Pedra" será lançado no próximo dia 15 em Lisboa, considera não ser possível "penetrar na experiência da tortura" através da literatura, mesmo que se tenha passado por essa situação extrema. 

 "Existem e conheço muitos livros sobre campos de concentração, em particular de ex-prisioneiros e sobreviventes, e o principal elemento é que não é possível penetrar nessa experiência", disse à Lusa a escritora, de 49 anos, natural de Istambul, em liberdade condicional desde 29 de dezembro após cinco meses de prisão por suspeita de atividades "subversivas". 

Em declarações por telefone desde Istambul, Aslı Erdoğan define "O Edifício de Pedra" - o seu primeiro romance traduzido para português - como uma obra sobre "tortura e enclausuramento". 

O livro, com a chancela da Editora Clube do Autor, com tradução de José Manuel Barata-Feyo a partir da edição em francês, está disponível a partir de 15 de fevereiro. 

"A minha principal questão foi saber até que ponto pode ir a literatura face a situações extremas como a tortura, ou campos de concentração", indica a autora com estudos em Física e Informática, detida em agosto de 2016 sob a acusação de vínculos com a guerrilha curda. 

Através de artigos publicados em jornais, não deixou de se pronunciar sobre os direitos da população curda e de outras minorias há muito acossadas pelos regimes turcos, incluindo pelo atual governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan. 

"As experiências extremas estão para além da linguagem", diz a escritora, que tentou encontrar uma linguagem "que pudesse tocar na essência" de uma experiência extrema. "Por exemplo, na literatura turca a tortura é geralmente abordada como uma questão de coragem ou resistência, enquanto na literatura latino-americana é geralmente encarada como uma tragédia", assinala. Assim, neste seu livro escrito em 2009 e publicado no ano seguinte, procurou uma nova abordagem. "Tentei transportar o mais sagrado e o mais sórdido, o mais feio, em conjunto. É por isso que no livro existe o homem louco e um anjo, que de facto são a mesma pessoa".

Galardoada em 10 de janeiro passado com o prémio Bruno Kreisky de direitos humanos concedido por uma fundação austríaca, a aguardar julgamento em liberdade condicional, Aslı Erdoğan é autora de oito livros, alguns traduzidos em França, Reino Unido e EUA, foi colunista e membro do conselho consultivo do diário da oposição pró-curdo Özgür Gündem, encerrado após o estado de emergência imposto após o fracassado golpe militar de 15 de julho. Acabou por ser detida com mais de 20 outros jornalistas e funcionários do jornal e está a ser julgada no seu país por quatro crimes diferentes. 

Ainda sobre "O Edifício de Pedra", afinal um romance tão atual, define-o com uma "metáfora", podendo ser "qualquer edifício de pedra, pelo mundo". A romancista ensaiou uma linguagem "musical e sofisticada", num livro que vai "de círculos em círculos" e onde a crítica destacou "uma doçura poética (...) em que a matriz é a tragédia humana" (Le Nouvel Observateur), "(...) um texto que faz pensar e sofrer. Tal e qual a grande poesia" (Le Monde des Livres) ou "um poema em prosa, escrito com a sensibilidade à flor da pele", como nota o tradutor Barata-Feyo. 

A romancista alerta no entanto para os limites desta incursão num mundo de sofrimentos. "Há um momento em que a literatura deve parar, não deve entrar na câmara de tortura e explicar o que sucede. Isso não será literatura, antes uma espécie de pornografia da dor", disse à Lusa. 

Após os seus 132 dias de detenção provisória, debilitada, diz recear "ter perdido alguma poesia" porque é difícil fazer poesia "em torno dos seus próprios traumas", mas continua a pensar que o tema da tortura não deve ser abordado diretamente numa obra literária. "Quanto mais círculos forem crescendo em redor mais poderosa prevalece", sustenta. Aslı Erdoğan também considera não merecer a designação de ativista dos direitos humanos, e diz que as colunas que escrevia para o jornal pró-curdo e proscrito contavam histórias de pessoas comuns assoladas pela tragédia, "o suficiente para ser punida". 

Proibida de sair da Turquia até à conclusão do julgamento, a autora manifesta particular preocupação com "sinais" que se avolumam no seu país. "Se o sistema é incapaz de digerir ou mesmo tolerar-me, mesmo a mim, isso significa que é um sinal muito sério. Quando os regimes se tornam cada vez mais totalitários mais jornalistas conhecem problemas, mas se começam a tocar nos artistas e nos escritores, isso significa que pretende garantir o monopólio da verdade". A escritora compara a atual situação na Turquia à década de 1930, essa "grande vaga de líderes populistas e autoritários" que alcançaram o poder em diversos países e com discursos muito semelhantes sobre liderança e patriotismo. "Na Turquia é um fenómeno mais evidente, na nossa história nunca tivemos instituições democráticas fortes, a nossa proximidade com um Médio Oriente sempre em convulsão torna a situação mais instável...", assinala. 

A preocupação com as minorias, sejam curdos, alevis (um ramo místico do islão e seguidores de Ali, com milhões de crentes na Turquia de maioria sunita) ou as mulheres "que apesar de serem em maior número que os homens são tratadas como uma minoria", é também uma constante em Aslı Erdoğan. "Todos estamos a pagar um preço, e à medida que o regime se tornar mais duro haverá cada vez mais pressão sobre todos estes grupos", frisou ainda, desde Istambul.

(Fonte: Notícias ao Minuto)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Gaye Su Akyol no Festival de Músicas do Mundo



Gaye Su Akyol é presença confirmada no Festival Músicas do Mundo, que se realiza em Sines e Porto Covo entre 21 e 29 de julho de 2017.  

Gaye Su Akyol é uma pintora tornada cantora-compositora que revela a energia da cena “underground” da Istambul mais cosmopolita. O seu disco “Hologram Imparatorluğu” (‘império holograma), editado em novembro de 2016, é classificado como art rock. Um art rock turco, com melodias da Anatólia, influências gregas e inspirações do rock psicadélico e do surf rock.

(Fonte: MusicFest.pt)

sábado, 28 de janeiro de 2017

Cartunista turca ganha prémio de “coragem artística” no festival de Angoulême



A cartunista feminista turca Ramize Erer recebeu hoje o prémio “couilles-au-cul” de “coragem artística” do Festival de Banda Desenhada de Angoulême, que decorre nesta cidade no sudoeste de França. 

O júri quis “lembrar a situação difícil que vivem neste momento os cartunistas turcos” e “homenagear a coragem desta cartunista e o seu combate pela causa das mulheres, vítimas colaterais da política de Erdogan”, indicou o festival num comunicado.

“Dedico este prémio à minha mãe que se tornou feminista sem ter conhecido nem Virginia Woolf, nem Simone de Beauvoir e que me deu uma liberdade sem limites e a coragem de falar dos problemas e dos desejos das mulheres e das relações entre os homens e as mulheres”, disse a laureada. Também saudou a memória do seu amigo Georges Wolinski, cartunista morto em janeiro de 2015 no atentado contra a revista satírica Charlie Hebdo, que lhe deu e à sua família “uma amizade e um apoio sem limites”. 

Ramize Erer publica desde 2010 a única revista de banda desenhada no mundo feita exclusivamente por mulheres, a Bayan Yani. Exilada em França há dois anos devido às ameaças que sofria na Turquia, Ramize Erer dirige a revista a partir de Paris. 

A impertinente cartunista não tem tabus e desenha “raparigas modernas que mostram o rabo e fazem troça dos gajos”, dizia Georges Wolinski, que deu a conhecer o seu trabalho em França. Sob um traço aparentemente ingénuo e irónico, dissimulam-se situações de grande violência, que descrevem a opressão de que as mulheres são vítimas. 

Nascida em 1963, Ramize Erer formou-se na Academia de Belas Artes de Istambul. Em 1990, publicou “Sans Moustache (Sem Bigode)”, o primeiro dos seus cinco álbuns de ressonância feminista com a sua heroína Kotu Kiz (”A menina má”). 

O irónico prémio “couilles-au-cul” de Angoulême premeia a coragem artística de um autor com uma estatueta em forma de dois testículos. 

 (Fonte: DN)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Micaela Oliveira na Turquia



Micaela Oliveira é a convidada de honra que fará o desfile de abertura da Izmir Bridal Week, que se realiza no próximo dia 7 de fevereiro, em Esmirna, a terceira cidade mais populosa da Turquia (tem 2,9 milhões de habitantes), depois de Istambul e Ancara. 

A Izmir Bridal Week é o segundo maior evento mundial de moda nupcial e de vestidos de gala, logo a seguir à Barcelona Bridal Week. “É um motivo de grande orgulho ter sido a convidada internacional para o desfile de abertura da Izmir Bridal Week, a que se seguirá um cocktail e um after party privada”, afirma Micaela Oliveira. 
O desfile de Micaela contará com 25 manequins (das quais duas portuguesas) que passado as suas criações numa passarela de 30 metros por seis perante uma assistência de 2 500 convidados oriundos de países tão diversos como Qatar, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Líbano, Rússia e Estados Unidos. 

O desfile será transmitido pelos dois maiores canais de televisão turcos e no âmbito do convite vai ser publicado um trabalho com Micaela Oliveira na revista de bordo da Turkish Airlines.

(Fonte: Jornal T)

sábado, 29 de outubro de 2016

Artesão de Viana do Castelo representa Portugal em Istambul


Um artesão de Viana do Castelo representou Portugal na XII edição do “International Traditional Meeting of Artists – CIOFF, em Pendik, na Turquia, com os tradicionais cabeçudos, figuras centrais da Romaria da Agonia. 

José Aníbal Cruz representou Portugal no evento internacional que decorreu entre 28 de setembro e 2 de outubro e onde marcaram presença 51 artesãos de 24 países. 

O artesão de Viana do Castelo ofereceu à organização da feira internacional um dos cabeçudos confecionado com a colaboração dos visitantes da feira, e que foi assinado pelos artesãos participantes no evento. 

O artesão da “Viana Cabeçudos – Arte da Festa” afirmou tratar-se de um cabeçudo” construído pelo mundo”. 

Flávio Cruz, Vice-presidente da Direção do Grupo Etnográfico de Areosa, acompanhou o artesão à Turquia sendo responsável pelas  imagens do sucesso da representação portuguesa naquele certame. 

(Fonte: Rádio Alto Minho)

quarta-feira, 23 de março de 2016

Mísia em Istambul

para portal diplomatico site e FB misia


A fadista portuguesa Mísia vai estar em Istambul para um concerto no próximo dia 25 de março, às 20.00, na sala de espétáculos Cemal Reşit Rey.

O concerto faz parte da sua tournée mundial para apresentação do seu último trabalho, "Para Amália".

Os bilhetes podem ser comprados aqui

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Turquia no Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa



O Cumplicidades – Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa vai decorrer entre 4 e 19 de Março numa dezena de espaços lisboetas.

Latitudes em Movimento é o mote genérico para esta edição do Cumplicidades, que abre o seu primeiro foco de programação internacional na direcção do Mediterrâneo, com a estreia nacional de obras de coreógrafos oriundos de Marrocos, do Egipto e da Turquia. 

O turco Mihran Tomasyan apresenta You’re Not a Fish After All, nos dias 15 e 16, na Rua das Gaivotas 6.

(Fonte: Público)

domingo, 4 de outubro de 2015

Filme falado em turco candidato a Óscar pela França


«Mustang» foi a produção francesa escolhida para a corrida ao Óscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira. A obra estreou na Quinzena dos Realizadores, no Festival de Cannes, e tem conquistado elogios unânimes da crítica gaulesa e uma bilheteira sólida no país - onde já foi visto por mais de 443 mil pessoas. 

A história desenrola-se numa pequena localidade no norte da Turquia e gira em torno de cinco irmãs que, ao regressarem a casa, brincam inocentemente com rapazes. No entanto, a sociedade conservadora onde vivem vê nisto "imoralidades" e a família irá impor medidas drásticas às raparigas, como casamentos arranjados, aos quais elas tentarão escapar para estarem juntas. O projeto da realizadora Deniz Gamze Ergüven concorreu também à Câmara d'Or (melhor filme estreante) em Cannes. 

O filme não tem data prevista para lançamento em Portugal, mas poderá ser visto na próxima edição da Festa do Cinema Francês, no dia 13 de outubro. 

A obra foi selecionada entre cinco outros projetos, que incluíam The Measure of a Man (La Loi du Marché), de Stephan Brizé, Summertime (La Belle Saison), de Catherine Corsini, Marguerite, de Xavier Giannoli e o vencedor da Palma d'Ouro deste ano, Deephan, de Jacques Audiard.

 

(Fonte: cinema.net)

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Música para piano e percussão de Rüya Taner e Dinçer Özer em Lisboa

Um duo de instrumentos vindo da Turquia apresenta-se amanhã à noite (20.00), no Teatro Thalia, às Laranjeiras.

Ela chama-se Rüya Taner e ele Dinçer Özer. Uma pianista e um percussionista. Amanhã, às 20.00, estes dois músicos turcos juntam-se no Teatro Thalia para um recital (organizado pela Embaixada da Turquia) com um programa muito variado.

Se for igual ao recital que deram há três meses no Steinway Hall, em Londres, há obras de autores turcos, como o conhecido Kamran Ince (n. 1960) ou o famoso pianista Fazil Say (n. 1970), e obras de pendor virtuosístico de autores da tradição ocidental, como Franz Liszt (1811-1886), Sergey Lyapunov (1859-1924) ou Claude Debussy (1862-1918).


Rüya Taner (o seu nome próprio significa "sonho" em turco) nasceu em Villingen-Schwenningen, no sul da Alemanha, no seio de uma família cipriota de etnia turca com tradições musicais. Fez estudos na Turquia (Ancara) e em Londres, na Guildhall School e na Royal Academy, onde se diplomou. Já actuou em mais de 70 países e a sua discografia inclui a gravação do seu recital de estreia no Wigmore Hall, em Londres. Hoje, para além de prosseguir carreira a solo, em música de câmara e como solista com orquestra, Taner ensina na Universidade do Mediterrâneo Oriental (em Famagusta), na parte turca de Chipre. Depois de Lisboa, Rüya irá a Kazan (Rússia), Macedónia e Copenhaga, terminando o ano em Esmirna (Turquia). Na próxima primavera, tocará em Berlim e na Sicília.

Dinçer Özer é um dos mais populares percussionistas turcos, com uma acção multifacetada, incluindo concertos pedagógicos. É membro da Orquestra Sinfónica Presidencial de Ancara, formação cuja história se funde com a antiga orquestra dos sultões otomanos, ocidentalizada por Maomé II em 1826. Quatro das peças de autores turcos em programa, incluindo a de Kamran Ince (Gates, para piano, de 2002) serão ouvidas em arranjos para percussão (ou incluindo-a) do próprio Özer. Nas peças que Rüya tocará, por seu lado, destacamos o raro Lesghinka, o n.º 10 dos 12 Estudos de Execução Transcendente, op. 11 que o russo Sergey Lyapunov dedicou à memória de Franz Liszt.

(Fonte: Diário de Notícias)