domingo, 15 de fevereiro de 2015

"Cavalo Dinheiro" e Pedro Costa viajam até à Turquia

O realizador português, Pedro Costa, vai estar em Istambul a apresentar o seu mais recente trabalho, “Cavalo Dinheiro” no âmbito do Festival de Cinema Independente de Istambul (!f İstanbul).
 
 O documentário "Cavalo Dinheiro", com o qual Pedro Costa ganhou o prémio de melhor realizador no Festival de Cinema de Locarno, vai ser exibido em Istambul  nos dias 15 e 17 de Fevereiro.
 
O realizador vai também estar presente para falar sobre a sua filmografia no dia 18 de Fevereiro, às 18.00 horas, na plataforma cultural SALT de Beyoğlu.
 
A 14.ª edição do Festival !f İstanbul vai decorrer de 12 a 22 de Fevereiro em três cinemas de Istambul. Uma selecção de filmes vai ser também exibida em Ancara e em Izmir, de 26 de Fevereiro a 1 de Março. Em Ancara o filme será exibido no Cinema Armada, no dia 28 de Fevereiro, às 17:30 horas.
 
Para mais informaçoes, consulte www.ifistanbul.com.

"Bairro" de Gonçalo M. Tavares editado na Turquia
























Série "Bairro", de Gonçalo M. Tavares, foi publicada na Turquia com o apoio do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A inquietação de Elif Şafak

A escritora turca Elif Şafak, nomeada para o Orange Prize for Fiction, com "A Bastarda de Istambul", o seu primeiro romance a ser editado em Portugal pela Jacarandá Editora, tem aparência cândida, transmite segurança nas suas palavras, fala pausadamente, parece apaziguada. Mas, à conversa com a autora, a mais lida na Turquia, transparece inquietação. O que um rosto transmite nem sempre corresponde ao âmago.

 
 
Şafak, nascida em Outubro de 1971, tem já um longo currículo. Com 13 livros publicados - "The Architect's Apprentice" é o último, mas ainda só está disponível no Reino Unido -, oradora, professora universitária, activista política e social, falou ao Diário Digital sobre o que a aquieta. A viver entre Londres e Istambul, revolta-se com o sexismo na Turquia, o machismo dominante. E também com a persistente negação do genocídio de milhões de arménios, que o Governo turco descreveu como sendo "simplesmente incidentes desagradáveis". O massacre entre 1914 e 1918 foi, inclusivamente, apagado dos programas escolares.
Para Elif Şafak, tal como o Irão negou o Holocausto, também o Governo turco encobre o genocídio, tentado fazer com que caia no esquecimento. E parece estar a consegui-lo. O povo já não fala do seu passado, da sua história; mas também, mesmo que quisesse, não seria capaz, foi como que obliterado. A autora revolta-se, apela à necessidade de redenção e, sobretudo, à imprescindibilidade de os turcos se solidarizarem com o povo arménio. "É urgente retomar o diálogo entre os turcos e os arménios", enfatiza.
Nascida em França, a sua mãe desistiu dos estudos depois de casar com um turco e irem viver para Estrasburgo. Separar-se-iam um ano depois. A mãe, com a escolaridade incompleta, regressou a uma Turquia sexista em que o papel das mulheres, ainda hoje, é ficarem em casa a tomar conta dos filhos. Felizmente, a avó de Elif, apesar de ter poucos estudos e acreditar em misticismo, fez questão que a filha frequentasse a faculdade e assumiu a tarefa de criar a pequena Elif. A autora transpõe esse direito à emancipação para a sua escrita. Recusa veemente que os seus textos sejam autobiográficos, mas como apartar-nos definitivamente das nossas próprias experiências? E aqui sou eu a questionar-me.
Em "A Bastarda de Istambul", o foco central é uma família, a Kazanci, toda ela constituída por mulheres; quatro gerações ao todo. Sobre os homens recai uma maldição, morrem todos por volta dos 40 anos. E porquê? Por nenhuma razão em particular, salienta, a não ser a de dar maior ênfase às mulheres. A escritora é conhecida por misturar tradições narrativas do Ocidente e do Oriente, por dar voz às minorias, às mulheres, aos imigrantes e às subculturas. E isto não podia estar mais assumido no livro que acaba de publicar em Portugal.
A narrativa começa com Asya Kazanci. Aos 19 anos, solteira, entra num consultório médico em Istambul para fazer um aborto. Por ter escrito sobre a interrupção da gravidez, Elif foi acusada de insultar a lei turca. Foi constituída arguida por um crime cuja sentença pode ir até três anos de prisão. Foi surreal, afirmou. O seu advogado "teve que ir a tribunal defender personagens fictícios". Acabaria por ser ilibada. Assume que abordar o aborto no seu livro é um manifesto. "O governo turco quis promulgar uma lei que abolisse o aborto, mas sem dar qualquer tipo de apoio às mulheres". A Turquia, a do passado e a dos dias de hoje, é um país onde "não se pode falar sobre incesto, violações, abusos sexuais nem violência doméstica". Elif Şafak critica duramente os políticos, observa que estão desfasados da realidade. "As mulheres ricas que queiram fazer um aborto viajam para o estrangeiro; as pobres recorrem a meios ilegais e sujeitam-se a morrer."
E será que se a Turquia tivesse conseguido aderir à União Europeia o panorama seria diferente? A escritora apoiou sempre a adesão como um ideal. "Há alguns anos até teria sido possível", sustenta. Mas o seu país falhou em cumprir os requisitos. E di-lo inabalavelmente. Mas também responsabiliza os políticos europeus. Responsabiliza-os por não terem percebido que seria uma mais-valia ter a Turquia no bloco comunitário. Mas, por ora, "o país terá que fazer um grande esforço, abraçar a democracia em pleno, rever a sua política em relação às minorias, à liberdade de expressão, aos direitos humanos". Desde o pedido da adesão da Turquia à UE, em Abril de 1987, a autora assistiu "a um enorme retrocesso", especialmente no que diz respeito à liberdade de expressão. "Todos os escritores na Turquia sabem que irão sofrer consequências se escreverem o que querem", sublinha.
Em "A Bastarda de Istambul", todos os capítulos falam sobre comida - os títulos são, inclusivamente, nomes de ingredientes (romã, damascos secos, amêndoas, cascas de laranja, pinhões, trigo, pistácios, avelãs torradas…), porquê? Elif Şafak, embora muito magra, gosta de comer (sim, os olhos brilham quando fala sobre comida, e sorri), mas não sabe cozinhar. O que não invalida que não leia livros sobre culinária. Aliás, diz-se muito eclética enquanto leitora; lê desde ensaios literários, livros sobre misticismo, neurociência, sobre todas as disciplinas que estou, e tem muitas referências - Milan Kundera é um deles. Mas, em "A Bastarda de Istambul", discorrer sobre comida assume-se como uma metáfora política. Todos os ingredientes mencionados "coexistem nas refeições" descritas e transformam-se em coisas belas. "Falar sobre comida equipara-se à partilha do pão e da água", é um momento solene. "A minha intenção aqui é igualar a comida como alimento para a alma."
Elif gosta de parar entre livros, de respirar. Actualmente a promover "A Bastarda de Istambul" - foi lançado na Turquia em 2007, publicou, entretanto, em 2014 no Reino Unido "The Architect's Apprentice", com a chancela da Penguin. Relativamente à obra que foi a sua estreia em Portugal, diz ter recebido várias ofertas para que fosse transposto para o cinema. Mas, tal como já foi mencionado, gosta de esperar. Talvez um dia, deixa em suspenso. Entretanto, o livro já foi adaptado para o teatro em Itália, e a peça deverá estrear este Verão.
 
(Fonte: Diário Digital)

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Elif Şafak em Portugal

A escritora Elif Şafak, autora de "A bastarda de Istambul", está terça-feira em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, para uma conversa, aberta ao público, com a jornalista Clara Ferreira Alves.
 
 
O encontro, sob o mote "Escrever sobre tabus num mundo multicultural", está agendado para as 19:00, no auditório 3 da Fundação, à Palhavã.
A Fundação refere-se à autora turca como "uma das vozes mais originais da literatura contemporânea". O livro "A Bastarda de Istambul" foi publicado em Portugal no passado dia 09 de Janeiro, pela Jacarandá, chancela da Editorial Presença.
O ponto de partida da narrativa, cuja paisagem é Istambul, é uma jovem solteira de 19 anos, Asya Kazanci, que decidiu ir a um consultório médico, pois pretende interromper voluntariamente a gravidez. "O que acontece naquela tarde mudará para sempre a sua vida", escreve a editora.
A autora conta, então, a história da família Kazanci, 20 anos depois daquela decisão. A família Kazanci é uma casa apenas de mulheres, pois todos os homens morrem pelos 40 anos. Asya tem um negócio de tatuagens, outra mulher, Banu, é vidente, Feride é hipocondríaca. Os segredos da família são revelados quando uma prima arménio-americana, Armanoush, surge em visita.
Segundo a editora portuguesa, Şafak é "a autora que mais vende na Turquia, com livros publicados em mais de 40 línguas".
"Şafak mistura as tradições narrativas do Ocidente e do Oriente, dando voz às mulheres, às minorias e às subculturas", afirma a Jacarandá, chancela que começou a sua publicação em Junho no ano passado, e é dirigida por Simona Cattabiani, que, em finais de 2013, deixou a editora Civilização.
Este romance valeu à escritora uma nomeação para o Prémio Orange, na área de Ficção.
Elif Şafak nasceu em Estrasburgo, França, em 1971, é licenciada em Ciência Política e tem lecionado em várias universidades dos Estados Unidos, Reino Unido e Turquia. Tem também escrito para diversas publicações, nomeadamente The Guardian, The New York Times e The Independent.

(Fonte: RTP)