domingo, 28 de dezembro de 2008

"Os Três Macacos" de Nuri Bilge Ceylan estreou em Lisboa


"Os Três Macacos" é um dos grandes filmes deste final de ano. Depois de "Clouds of May", de "Longínquo" e de "Climas", estes dois últimos vistos em Portugal, o Turco Nuri Bilge Ceylan assina, em "Os Três Macacos", um filme (Prémio de Melhor Realizador em Cannes) que estica (aparentemente) até ao limite o seu cinema da incomunicabilidade silenciosa - ou no máximo espartana -, da contemplação cerrada, da austeridade visual, do não-dito, da impotência existencial, e da estreita correlação entre a interioridade emocional e psicológica das personagens, e a meteorologia e suas variações e caprichos. Poucos cineastas utilizam o tempo atmosférico para fins dramáticos e expressivos de forma tão vincadamente significativa como ele. Ceylan, engenheiro electrotécnico por formação e antigo fotógrafo de publicidade, convertido ao cinema após ter visto "O Silêncio" de Ingmar Bergman, produz, escreve, monta e até interpreta os seus filmes, que polvilha com familiares, roda em sua casa ou nas destes, e os quais costumam transportar uma mochila autobiográfica. Em "Os Três Macacos", um título que remete à velha fábula (e a uma famosa estátua) sobre a forma como as pessoas se recusam a encarar a realidade e descartam responsabilidades, Nuri Bilge Ceylan filma, em digital e Scope, um político de Istambul a pedir ao seu motorista que, a troco de dinheiro, arque com a culpa por um atropelamento e fuga, um adultério entre o político e a mulher do motorista, a angústia e a inquietação do filho destes, um carro em segunda mão, a tensão mudamente crescente entre o pai, a mãe e o filho, um punhado de diálogos utilitários, e os efeitos físicos e emocionais, visíveis e invisíveis, de um Verão de calor prostrante e de trovoadas assustadoras.

Estreou em Portugal discretamente no dia de Natal e só em duas salas de cinema de Lisboa.

(Fonte: Diário de Notícias)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Museu Nacional da Imprensa atribuiu o 1º Prémio Europeu de Cartoon ao cartunista turco Musa Gümüş


O cartunista Musa Gümüş, da Turquia, venceu a segunda edição do Prémio do Concurso Europeu de Cartoon, com um trabalho denominado EU (European Union), anunciou hoje o Museu Nacional da Imprensa.
Organizado pelo Museu, o segundo prémio foi atribuído a Alessandro Gatto, da Itália e o terceiro a Heino Partanen, da Finlândia.
Além de "EU", os restantes trabalhos premiados estão também hoje expostos no átrio do Teatro Camões, no Parque das Nações, onde no dia 18 de Dezembro, pelas 21:00 começou o espectáculo de encerramento do Ano Europeu do Diálogo Intercultural.
O júri foi presidido pelo cartunista da Paris Match George Wolinski e integrou ainda a presidente da Federação Internacional das Organizações de Cartunistas, Marlene Pohle, Helena Gelpi, representante do Alto Comissariado para Imigração e Diálogo Intercultural, Xaquin Marín, director do Museo de Humor de Fene (Espanha), o cartunista Ronaldo, e Luís Humberto Marcos, director do Museu.
O júri, devido à "elevada qualidade dos trabalhos", decidiu atribuir ainda oito Menções Honrosas a artistas de quatro países: Bélgica (1), Espanha (1), Turquia (3) e Roménia (3).
Este concurso internacional iniciou-se o ano passado, com o tema "Desigualdades, discriminação e preconceitos", e "enquadra-se na linha de trabalho que o Museu tem vindo a desenvolver no âmbito da promoção do desenho de humor", lê-se na mesma nota.
Refira-se que o Museu organiza anualmente o PortoCartoon-World Festival.
O espectáculo que decorreu contou com as participações, entre outros, de Carlos do Carmo, Manuel Rocha, Batoto Yetu, Teresa Salgueiro & Lusitânia Ensemble, Paulo de Carvalho, Vitorino, Quarteto Dzvin, Maria João e Mário Laginha, Rão Kyao e Lu Yanan, Carlos Martins Septeto, Tito Paris e Bernardo Sasseti, Kumpania Algazarra, Ciganos D´Ouro, Adriana Miki, Clã e Império Suburbano.

(Fonte: Acime)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Filme "Terra Sonâmbula" recebeu Prémio de Melhor Argumento em Bursa


O filme "Terra Sonâmbula", da realizadora portuguesa Teresa Prata, conquistou o Prémio de Melhor Argumento no 3º Festival Internacional de Cinema de Bursa, na Turquia, revelou a cineasta à Lusa.
Baseada no livro homónimo do escritor moçambicano Mia Couto, a longa-metragem esteve em competição com 12 filmes provenientes da Sérvia, Palestina, Espanha, Israel, Cazaquistão, China, Turquia, Reino Unido, Hungria, Canadá e Finlândia.
O júri da competição internacional foi composto por Atilla Dorsay (jornalista), Christopher Zalla (realizador, argumentista), Fabienne Babe (actriz), Gülnara Abikeyeva (crítica de cinema), Jim Stark (produtor), Banu Bozdemir (crítica de cinema), Burçin Yalçin (guionista e crítico de cinema), e Okaran Arpaç (crítico de cinema).
"Terra Sonâmbula" conquistou também recentemente o Prémio "Save The Children" no 28º Festival de Cinema Africano de Verona, que decorreu entre 14 e 22 de Novembro em Itália.
Primeira longa-metragem de Teresa Prata, conta a história de Muidinga, um menino moçambicano que procura a família em plena guerra civil, e tem apenas dois actores profissionais no elenco: a Moçambicana Ana Magaia e a Portuguesa Laura Soveral.
Os restantes actores, incluindo o menino de 12 anos que protagoniza Muidinga (Niko Lauro Teresa), são amadores que responderam a anúncios colocados pela realizadora em jornais e na televisão moçambicanos.
A longa-metragem já foi também galardoada nos festivais de Kerala (prémio FIPRESCI, Federação Internacional de Críticos de Cinema), Pune (prémio de melhor realizador), Famafest (prémio da Lusofonia), Milão (prémio SIGNIS) e no Festival IndieLisboa deste ano (prémio do público e menção honrosa da Amnistia Internacional), onde teve estreia em Portugal.
"Terra Sonâmbula" passou entretanto pelas salas de cinema da África do Sul e Moçambique, e participou em festivais de cinema de Montreal, Rio de Janeiro, Mannheim, Teerão, Londres (Birds Eye View), Copenhaga, Varsóvia (Afrikamera), Zanzibar, Granada, Melbourne, Amesterdão (Africa In The Picture), Harare, Oslo (Films From The South) e Cartago.
A realizadora revelou que o filme abrirá a mostra Global Lens 2009, com uma dezena de filmes, no dia 14 de Janeiro do próximo ano, no Museu of Modern Art de Nova Iorque (MOMA), onde ficará por uma semana, e depois seguirá para outras 35 cidades norte-americanas, distribuída pela The Global Film Iniciative.

(Fonte: IOL)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Almoço luso-turco no Porto

A Associação de Amizade Luso-Turca vai organizar um almoço ao ar livre acompanhado de música lusa e turca no parque de merendas do Palácio de Cristal, no Porto, para celebrar o Natal português e a Festa do Sacrifício turca. A entrada é livre e gratuita e tem início a partir das 12 horas do dia 14 de Dezembro de 2008.

Nota: Em caso de chuva o evento será suspenso.

(Fonte: Associação de Amizade Luso-Turca)