sábado, 27 de setembro de 2008

Orhan Pamuk: "A Casa do Silêncio"

"A Casa do Silêncio" (Sessiz Ev, 1983) é o primeiro romance de Orhan Pamuk traduzido no Ocidente. A sua versão portuguesa foi agora editada em Portugal pela Editorial Presença.

Sinopse: Numa pequena cidade portuária do norte da Turquia, convertida em estância turística à ocidental, existe uma casa meio arruinada onde vivem Fatma, uma viúva nonagenária, e Recep, o anão que cuida dela. Todos os anos, no Verão, a idosa recebe os netos vindos de Istambul, três personalidades completamente distintas. A história decorre num ambiente de grande agitação política, cuja conflitualidade se reflecte nas experiências dos jovens, enquanto Fatma, refugiada nas suas recordações, nos permite articular passado e presente.

Filme turco venceu a Concha de Ouro em San Sebastián


O filme turco "Pandora's Box" ("Pandora'nın Kutusu"), da realizadora turca Yeşim Ustaoğlu, venceu hoje a Concha de Ouro de melhor filme no 56.º Festival Internacional de Cinema de San Sebastián. A veterana actriz francesa Tsilla Chelton, ganhou a Concha de Prata para melhor actriz no mesmo filme.

Pandora's Box /Pandora'nın Kutusu (2008); Realização: Yeşim Ustaoğlu; Argumento: Yeşim Ustaoğlu, Selma Kaygusuz; Elenco: Tsilla Chelton, Derya Alabora, Onur Unsal, Övül Avkiran, Osman Sonant.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Hoje é Kandil: "Kadir Gecesi"

Hoje celebra-se uma das cinco noites sagradas do calendário muçulmano designadas Kandil, que significa vela. Chamam-se assim porque as mesquitas apresentam-se iluminadas durante estas noites especiais em que os Muçulmanos fazem orações e cantam o Mevlit, um poema escrito para celebrar o nascimento do profeta Maomé.
Hoje celebra-se concretamente a Kadir Gecesi, que marca a primeira aparição do Corão ao profeta Maomé.
Quem caminha pelas ruas de qualquer cidade, vila, ou aldeia turca vai aperceber-se facilmente dos dias em que se celebra o Kandil, uma vez que vendedores ambulantes e pastelarias vendem as roscas do kandil (Kandil Simidi), uma rosca geralmente coberta com sementes de sésamo.

Mais sobre o Kandil aqui.

"Saturno Contro" de Ferzan Özpetek é exibido hoje no Cinema São Jorge


Dez anos após a sua estreia como realizador em "Il Bagno Turco", e cinco longas-metragens depois, o cineasta italiano de origem turca Ferzan Özpetek surge com Saturno Contro (passa hoje, às 22.00, na sala 1 do Cinema São Jorge, no âmbito do Queer Lisboa), filme com um título pleno de ressonâncias astrológicas. Um título que, porém, mesmo para quem domine o seu significado esotérico, não deixa de ser algo obscuro e difícil de justificar à luz do que se passa com as personagens do filme. Mas talvez baste dizer que se trata de um termo astrológico que designa tempos de grande perturbação e convulsão.

Saturno Contro é um filme essencialmente apostado em expor a teia de relações que se vai tecendo entre diversas personagens, e a forma como um acontecimento trágico abala, transforma e porventura robustece tais ligações. O círculo de amigos abre-se com Lorenzo (Luca Argentero), que andará pelos 30 anos e é namorado de Davide (Pierfrancesco Favino), escritor e mais velho que este uma década. Lorenzo é avesso a mudanças e gostaria de eternizar a felicidade presente, mas talvez Saturno venha alterar-lhe os planos. Roberta (Ambra Angiolini), amiga de Lorenzo, é que teria uma palavra a dizer sobre tal influência, pois está convencida de que a sua toxicodependência e falta de amor-próprio se explicam por um "mau horóscopo". No mundo de amigos (entre os quais encontramos os actores Stefano Accorsi e Margherita Buy) que os rodeiam, cruzam-se histórias de amor e infidelidade, de relações secretas e desejos. Contudo, o inesperado acontece quando Lorenzo sofre um derrame cerebral.

Melodrama intimista com um toque almodovariano (mas do lado mais "sóbrio" do cineasta espanhol) e óptimas interpretações dos actores, Saturno Contro é um filme centrado no poder salvífico, mas também na fragilidade das relações humanas (nas quais somos todos afinal pedras angulares uns dos outros), sendo nesse sentido um exemplo bem estruturado de um cinema essencialmente antropocentrado. Um cinema sobretudo interessado no factor humano de uma perspectiva eminentemente relacional, e não tanto em aduzir reflexões existenciais, as quais deixa humilde e despretensiosamente por conta dos espectadores que nelas queiram arriscar-se. No entanto, uma lição podemos tirar deste filme: somos todos conservadores do que nos faz felizes.

(Fonte: Diário de Notícias)

Museu de Pintura e Escultura de Ancara

O Museu de Pintura e Escultura de Ancara (Ankara Devlet Resim ve Heykel Müzesi) tem uma importante colecção de pintura do século XIX até aos nossos dias. As obras são de vários pintores turcos de renome, tais como: Eşref Üren, Arif Kaptan, Turan Erol, Devrim Erbil, Mustafa Pilevneli, Orhan Peker, Refik Epikman, Şefik Bursalı, Mehmet Özel, Osman Zeki Onal, Şeref Akdik, Hikmet Onat, Bedri Rahmi Eyuboğlu, entre outros.







































































domingo, 21 de setembro de 2008

Na Galeria Zafer Çarşısı











Alguns dos trabalhos em exibição na Galeria Zafer Çarşısı Güzel Sanatlar. São trabalhos pintados por mulheres que frequentaram cursos de pintura promovidos pela Câmara Municipal de Ancara.

Ancara, Setembro 2008.

Dança e música sufi no Porto


O espectáculo de dança e música sufi é organizado pela Associação de Amizade Luso-turca e vai decorrer no próximo dia 27 de Setembro, às 21 horas, no anfiteatro da Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto (Rua Dr. Manuel Pereira da Silva). A entrada é livre.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

"Fire of Anatolia - Dança dos Sultões" em Portimão


Parte da história e das tradições da Turquia vão passar pelo Portimão Arena na noite da próxima sexta-feira, no grandioso espectáculo ‘Fire of Anatolia – Dança dos Sultões’.
Em palco vão estar, em muitos momentos em simultâneo, 68 bailarinos, no maior espectáculo de dança e música alguma vez produzido na Turquia e aplaudido em todo o Mundo por mais de oito milhões de espectadores de 60 países.
A Dança dos Sultões figura no livro dos recordes Guinness como a actuação de dança mais rápida do Mundo, com 241 passos por minuto.
A energia dos bailarinos, a exuberância dos trajes e a conjugação muitas vezes apoteótica entre os movimentos em palco e a música (dezenas de tambores em palco) tornam o espectáculo grandioso.
‘Fire of Anatolia – Dança dos Sultões’ bebe boa parte da sua inspiração na mitologia e na milenar cultura da Anatólia, sendo também por isso uma viagem às tradições da Turquia.
Os bilhetes para esta apresentação custam 12,50 euros e já estão à venda no Auditório Municipal de Portimão, entre as 14h00 e as 20h30, ficando também disponíveis na bilheteira do Portimão Arena no dia do espectáculo, a partir das 18h00.
No recinto do espectáculo haverá, mediante marcação prévia, serviço gratuito de acompanhamento para crianças entre os 3 e os 10 anos.

(Fonte: Correio da Manhã)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

"Fire of Anatolia" em Portimão e nos Açores


Três companhias da China, Turquia e Espanha sobem ao palco do Coliseu Micaelense de Ponta Delgada, entre Setembro e Novembro, para cinco espectáculos integrados num ciclo de "Danças do Mundo".
Segundo fonte do Coliseu Micaelense, a "Beijing Dance Academy", a "Fire of Anatolia" e a "Companhia Suite Espanhola" deslocam-se pela primeira vez aos Açores para realizarem este conjunto de espectáculos, integrados no ciclo "Danças do Mundo". O ciclo abre com a Academia de Dança de Pequim, "uma das mais importantes escolas de ensino superior artístico na China que se apresenta pela primeira vez em Portugal" a convite da Fundação Oriente, e que actua nos dias 26 e 27 de Setembro no Coliseu, referiu a fonte. A 3 e 4 de Outubro, a companhia turca "Fire of Anatolia" realiza o "Legendary Dance Show", espectáculo com dezenas de bailarinos e tambores, durante cerca de duas horas, "já consagrado no Livro Guiness dos Recordes Mundiais como a actuação de dança mais rápida do mundo, com 241 passos por minuto". O Coliseu adianta que a passagem pela Península Ibérica da companhia, no quadro da actual digressão mundial, constitui também o encerramento do ciclo de grandes espectáculos do "Portimão Arena" a 19 de Setembro, e integra o programa oficial da "Expo Zaragoza" em Espanha. O ciclo de "Danças do Mundo" encerra a 7 de Novembro com a "Companhia Suite Espanhola", que se desloca de Madrid para dar no Coliseu Micaelense um espectáculo com cerca de duas horas, com duas dezenas de bailarinos e músicos que apresentam as obras "Antologia Flamenca" na primeira parte e "Garcia Lorca Canta a la Petenera" na segunda.

(Fonte: Açoriano Oriental)

Os Portugueses Ram e Mar estão em Istambul


Gonçalo Ribeiro (Mar) e Miguel Caeiro (Ram), dois artistas de graffiti portugueses, estão em Istambul desde o dia 8 de Setembro a convite Eastpak para pintarem mochilas da marca.

O evento designa-se "Tag my Pak" e desenrola-se em diferentes locais:

8 de Setembro: Ayakkabı Dünyası Capacity

9 de Setembro: Ayakkabı Dünyası Nautilus

10 de Setembro: Bağdat Caddesi Sportworks

11 de Setembro: Akmerkez

12 de Setembro: İntersport Kanyon

13 de Setembro: Boyner İstinye Park

14 de Setembro: Boyner Şaşkınbakkal

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Cinema turco no Festival de Veneza


O realizador Semih Kaplanoğlu está a construir uma trilogia sobre a vida de um poeta chamado Yusuf. Começou com "Egg" (2007), há-de haver "Honey", por agora temos "Milk" nesta caminhada em direcção à infância de uma personagem. Depois do Yusuf maduro do filme anterior, encontramos Yusuf rapaz: admissão à faculdade recusada, a publicar os seus poemas em obscuras revistas literárias, a viver com a mãe no campo, na Anatólia, onde o negócio do leite que os dois gerem vai mal.
Pode dizer-ser que é um filme sobre o "velho e o novo" na sociedade turca, sobre as contraditórias aspirações de quem é apanhado nas mudanças. O "leite" do título original permitirá aproximações psicanalíticas a esta história em que as personagens são uma mãe e um filho. Mas "Milk" não é um filme "sobre"... Progride por sinais, indícios, manifestações de uma metafísica secreta, secreta como a relação entre a mãe, que mantém um affair que desestabiliza Yusuf, e o filho que não sabe o que fazer aos laços que o prendem à infância.
Kaplanoğlu diz que a relação mãe-filho na sociedade tradicional turca é uma das razões por que os jovens turcos têm tanta dificuldade em fazer a transição mental da infância para a idade adulta.

"Süt" (Milk) de Semih Kaplanoğlu (Turquia, França Alemanha)
com Meli Selçuk, Başak Koklukaya, Serif Erol
Venezia 65 - Selecção Oficial - em competição

(Fonte: Público)

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

A Turquia celebrou o Dia da Vitória (Zafer Bayramı)




O dia 30 de Agosto, feriado nacional na Turquia, marca o Dia da Vitória (Zafer Bayramı) sobre os Gregos em 1922, facto muito importante para a formação da República Turca em 1923.
Acrobacias aéreas e desfiles militares são os actos mais marcantes deste dia, e são presenciados ao mais alto nível pelo Exército e Governo, em Ancara, no centro cultural Atatürk (Atatürk Kültür Merkezi).

(Fotos: AFP)