domingo, 29 de outubro de 2006

Hoje celebra-se a implantação da república na Turquia

Hoje celebra-se a implantação da república na Turquia
Hoje celebram-se os 83 anos da implantação da República na Turquia. Como tal, um pouco por toda a Turquia estão a decorrer celebrações.
Mustafa Kemal Atatürk foi o líder que desencadeou todo o processo que levou à criação da República da Turquia em 29 de Outubro de 1923.

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

5.º Festival Internacional de Comédias de Istambul

5.º Festival Internacional de Comédias de Istambul

O 5.º Festival Internacional de Comédias, organizado pela Fundação TURSAK e patrocinado pelo cartão Bonus, terá lugar entre 27 de Outubro e 2 de Novembro.
Serão exibidos filmes de realizadores brilhantes como Michel Michel Leclerc, Manuel Gomez Pereira, Robert Young, Jusiane Balasko, Jean Marie Poire, Martin Koolhaven, Grigoris Karantinakis, Patrice Leconte e Pedro Almodovar com o filme que irá abrir o festival, vencedor de melhor argumento e melhor actriz em Cannes, "Volver".
O festival é composto pelas seguintes secções: Concurso das Comédias Mais Sérias, Comédias Francesas, Comédias Europeias, Comédias Americanas Independentes, Comédias de Bollywood, Em Memória de Kemal Sunal e Encontro Especial com Charlie Chaplin. Os filmes serão exibidos no Cinebonus Maçka G-Mall, Sala de Cinema Beyoğlu Alkazar e no Centro Cultural Francês em Taksim.
Quem apresentar o cartão Bonus terá um desconto de 50%. As exibições no Centro Cultural Francês são gratuitas.

sábado, 21 de outubro de 2006

Vem aí o Şeker Bayramı

Vem aí o Şeker Bayramı

Amanhã termina o Ramadão e é também o Arefe (dia anterior a uma celebração religiosa), o dia de preparação para o Şeker Bayramı (Festival do Açúcar), também chamado de Ramazan Bayramı (Festival do Ramadão).
Estas festividades marcam o fim do Ramadão, e consequentemente do jejum a ele associado.
O Şeker Bayramı é simbolizado por rebuçados e bombons de vários tipos, que passaram a ocupar o lugar de honra de todos os supermercados e lojas da especialidade desde há cerca de duas semanas.
Estas festas prolongam-se durante três dias, com início na segunda-feira dia 23 até ao dia 25. São três dias de feriado nacional na Turquia, aproveitados por muita gente para rumarem principalmente ao sul e oeste do país, onde ainda se pode desfrutar da praia apesar de estarmos em Outubro. Mas, tradicionalmente, este festival marca o reencontro das famílias, que se visitam umas às outras. É também o momento em que quem está longe de casa pelas mais variadas razões, regressa para celebrar estes dias. São também comuns as visitas aos cemitérios durante o festival. Os membros mais jovens de cada família visitam os mais velhos e beijam-lhes a mão. Este é, aliás, um tipo de cumprimento usado sempre pelos mais novos relativamente aos mais velhos, mas neste período digamos que abrange também uma faixa etária não tão avançada. As crianças batem às portas para receberem bombons e rebuçados, e recebem dinheiro dos familiares e amigos. As casas devem portanto estar abastecidas de rebuçados e bombons, também para os "convidados" que podem surgir, porque, se no primeiro dia do bayram os mais jovens visitam os mais velhos, nos dois dias que se seguem as visitas alargam-se a todos. Outro elemento indispensável em todas as casas nestes dias festivos, é a água de colónia. É um símbolo de boas vindas colocar água de colónia nas mãos de alguém. Este é também um acto típico nos outros dias, mas em celebrações é praticamente obrigatório.
É costume comer-se durante o festival, para além dos rebuçados e chocolates, vários tipos de doces tradicionais turcos, nomeadamente baklava e şekerpare.

quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Hoje celebra-se o Kadir Sagrado

Hoje celebra-se o Kadir Sagrado
Os Turcos têm uma forma muito particular de seguir o Islão. Um grande número de Turcos muçulmanos prefere apreciar uma boa bebida alcoólica, fumar cigarros e aproveitar ao máximo as "coisas boas da vida", em vez de se preocupar em não fazer essas coisas durante as festividades religiosas como o Ramazan (Ramadão) ou o Kandil. Existem também minorias religiosas na Turquia, e também os alevitas, que seguem outro calendário religioso e/ou adoptam práticas religiosas distintas.
Os festivais das mesquitas são chamados kandil, que significa vela em Português. Este nome advém de todas as mesquitas estarem iluminadas nessas noites.
A noite sagrada Kadir, que significa a primeira aparição do alcorão ao profeta Maomé, celebra-se hoje, quinta-feira, 19 de Outubro.
Durante o Império Otomano, o sultão Selim II acendeu velas nos minaretes das mesquitas para anunciar essas noites sagradas à população, uma vez que o calendário islâmico é lunar e as datas dos kandil mudam todos os anos.

Mevlid kandili - O nascimento do profeta Maomé (9 de Abril de 2006)
Regaip kandili – O início da gravidez da mãe do profeta Maomé (27 de Julho de 2006)
Miraç kandili – A ascenção do profeta Maomé ao céu (20 de Agosto de 2006)
Berat kandili – O perdão dos pecados (7 de Setembro de 2006)
Kadir gecesi – A primeira aparição do alcorão ao profeta Maomé (19 de Outubro de 2006)

Nestas noites, os muçulmanos normalmente rezam e cantam o mevlit, um poema escrito para celebrar o nascimento do profeta Maomé.
Antigamente, nos dias kandil, os elementos jovens da família visitavam os mais velhos, tradição que foi substituída em parte pelas chamadas telefónicas.
Nestes dias, a maior parte das pastelarias vende kandil simidi (roscas do kandil). É também tradição a confecção de helva (sobremesa turca feita com sêmola de trigo ou farinha) ou lokma tatlısı (bolinhos fritos e cobertos com calda de açúcar).

Encontra aqui estas e muitas outras receitas da cozinha tradicional turca e aqui mais informações sobre o kandil.

terça-feira, 17 de outubro de 2006

O Ramadão

O Ramadão
O mês sagrado do Ramadão é celebrado no nono mês do calendário islâmico ou hegírico. É um calendário lunar, composto por 12 meses de 29 ou 30 dias, com um total de cerca de 354 dias. A contagem do tempo neste calendário começa com a Hégira ou a fuga de Maomé de Meca para Medina em 16 de Julho de 622. O mês começa quando o crescente lunar aparece pela primeira vez após o pôr-do-sol. Tem cerca de 11 dias a menos que o calendário solar, e os meses islâmicos retrocedem todos os anos, o que faz com que os feriados muçulmanos circulem por todas as estações do ano.
No nono mês, o mês sagrado do Ramadão (Ramazan), que este ano começou no dia 24 de Setembro, os muçulmanos fazem um jejum (oruç) de 30 dias (às vezes 29 dias, se o crescente lunar aparecer mais cedo).
Segundo o Alcorão, o oruç é um dos cinco pilares (deveres) do Islão e é obrigatório para grande parte dos muçulmanos, com excepção dos dementes, doentes, quem estiver em viagem, mulheres durante a menstruação, grávidas ou mães que estejam a amamentar. Estas pessoas podem completar o número estabelecido de dias de jejum em outros dias do ano. Quem não puder praticar o jejum deverá doar alimentos a uma pessoa carenciada.
Jejuar significa parar de comer e beber desde o amanhecer até ao pôr-do-sol. Para além da não ingestão de qualquer líquido ou alimento, também não se deverá fumar ou ter relações sexuais durante esse período.
Está disponível no mercado uma espécie de pastilha que parece manter o organismo "alimentado" durante o período do jejum. Peritos turcos em Teologia, não se opõem à sua utilização.
O sahur é a refeição das primeiras horas da manhã ou a refeição do pré-jejum. É a refeição ingerida antes do sol nascer.

O Ramadão
Os Ramazan davulcusu (tocadores de tambor do Ramadão), andam pelas ruas com grandes tambores a acordar os fiéis para o sahur. Tocam uma variedade de ritmos, e às vezes também cantam a mani, um tipo de canção com rimas. Tentam manter uma tradição antiga do tempo em que não existiam despertadores, embora causem alguns protestos devido ao barulho e consequente perturbação daqueles que querem dormir.
Também para avisar o início do sahur e do iftar, ouve-se o som de canhões em alguns pontos.
Antes e durante o bayram (o festival logo após o Ramadão), os tocadores de tambor de cada região batem à porta para pedirem dinheiro.
O jejum é quebrado todos os dias com uma refeição conhecida como iftar, que tem lugar logo após o pôr-do-sol, ao mesmo tempo da “chamada para a oração do anoitecer”.

O Ramadão
Antes da hora do iftar vêem-se muitas ramazan pidesi (um pão delicioso típico do Ramadão) quentes à venda. Próximo da hora do iftar, o movimento aumenta em direcção a casa e também nos restaurantes, onde existem filas de pessoas e menus específicos para o iftar. É comum verem-se pessoas sentadas nas mesas dos restaurantes à espera de ouvirem a “chamada para a oração do anoitecer” que também anuncia o fim do jejum e o início do iftar. Também existem tendas montadas nas ruas pelas câmaras municipais, onde é servido gratuitamente o iftar às pessoas mais necessitadas, e onde as filas se começam a formar algum tempo antes do pôr-do-sol.

O Ramadão
O iftar começa normalmente com tâmaras, bebidas doces, alimentos típicos do pequeno-almoço turco (queijo, azeitonas, pão, tomate, pepino...) e sopa, seguidos do jantar tradicional.
Os convites para o iftar são muito comuns durante o Ramadão, podendo surgir convites para um iftar de familiares, amigos e vizinhos.
Em alguns locais, especialmente centros comerciais e ruas e praças centrais, são organizados pequenos espectáculos com música ao vivo e teatros que as crianças adoram. O mais típico é aquele com duas personagens famosas: Karagöz e Hacivat.



O Ramadão


São duas personagens ficcionais do teatro turco de sombras. Hacivat representa a classe letrada, fala Turco otomano e usa linguagem poética e literária. Em oposição, o seu amigo Karagöz representa o público iletrado mas sincero. O tema central baseia-se na interacção de ambos.




Quando o Ramadão acontece nos meses de Inverno, quando as noites são mais longas, o intervalo entre as duas refeições (sahur e iftar) é de dez a 11 horas. Durante os meses de Verão, o tempo de jejum torna-se mais longo, sendo cerca de 17 a 18 horas em Junho e Julho. Este ano é de cerca de 14 horas.
Durante o Ramadão, a oração da noite (yatsı namazı) é seguida de uma namaz (oração) especial chamada teravih. É um tipo de culto ritual que só acontece nas noites do Ramadão. Os muçulmanos tentam ir a diferentes mesquitas para completarem a oração teravih.
O Ramadão é considerado sagrado, porque o Alcorão foi revelado ao profeta Maomé durante este mês. Para além de colocar os muçulmanos frente a frente com as realidades duras da vida, tais como o sofrimento provocado pela fome, sede e privações, o Ramadão é um período de treino anual que inculca disciplina e declaração de subserviência às leis de Deus, enumeradas no Alcorão. Contudo, é durante o Ramadão que mais excessos alimentares são cometidos.
Um muçulmano deverá praticar sadaka (caridade) e fitre (esmolas dadas no Ramadão) durante o Ramadão. O Alcorão também é recitado intensamente durante este período.
Os últimos dez dias do Ramadão são mais importantes, uma vez que os fiéis cumprem a Kadir Gecesi (a Noite do Poder), durante a qual a revelação do livro ao profeta foi completada. Por um lado, é considerado o clímax do Ramadão e os muçulmanos ficam toda a noite acordados a rezar ou a ouvir sermões do imame (líder religioso). O rigor do jejum termina com a celebração do Şeker Bayramı (Festival do Açúcar) ou Ramazan Bayramı (Festival do Ramadão) que é festejado durante três dias. Este ano acontece entre 23 e 25 de Outubro.

domingo, 15 de outubro de 2006

5.ª Semana de Cinema de Outono de Istambul (Filmekimi)

5.ª Semana de Cinema de Outono de Istambul (Filmekimi)

A 5ª Semana de Cinema de Outono (Filmekimi), organizada pela Fundação para a Cultura e Artes de Istambul (IKSV), realiza-se de 13 a 19 de Outubro. Os amantes de cinema terão a oportunidade de ver os melhores filmes que estiveram presentes nos festivais de cinema de Cannes, Berlim, Sundance e Veneza, alguns dos mais brilhantes filmes da temporada de realizadores mundialmente famosos, assim como as primeiras exibições de novos filmes. Vinte e nove filmes muito aguardados, podem ser vistos em Beyoğlu Emek. Os bilhetes estão à venda na bilheteira do cinema Emek.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Orhan Pamuk recebeu o Prémio Nobel da Literatura

Orhan Pamuk
O escritor Orhan Pamuk, autor de "O Meu Nome é Vermelho", "Neve" e de meia dúzia de outros romances, ganhou ontem o Prémio Nobel da Literatura "pelo conjunto do seu trabalho, que analisa o cruzamento das culturas muçulmanas e ocidentais."
A academia sueca disse que Pamuk, "na busca da alma melancólica da sua cidade natal [Istambul], descobriu novos símbolos para o confronto e entrelaçar de culturas."
O escritor de 54 anos, para além de ser o escritor turco mais conhecido no estrangeiro, é também um rebelde político, cujas opiniões sobre a história do seu país, alertaram a comunidade internacional para a questão da liberdade de expressão no seu país.


Orhan Pamuk
"No seu país natal, Pamuk tem reputação de comentador social, mesmo apesar de se considerar principalmente um escritor de ficção sem agenda política," referiu o júri do Nobel.
As aspirações antigas da Turquia de se tornar europeia, caracterizadas por confrontos entre o islamismo e o secularismo, e entre a tradição e a modernidade, e o impacto doloroso da ocidentalização agressiva depois do colapso do Império Otomano, permeiam a escrita de Pamuk.
Pamuk foi o primeiro autor no mundo islâmico a condenar publicamente a fatwa (sentença de morte) em 1989 contra Salman Rushdie, e esteve ao lado do seu colega turco Yaşar Kemal quando este foi a julgamento em 1995.


Orhan Pamuk
Ele próprio teve de enfrentar um processo judicial depois de ter declarado a um jornal suiço que 30 mil Curdos e um milhão de Arménios tinham sido mortos na Turquia. As queixas contra ele desencadearam protestos internacionais e foram retiradas.
Pamuk é o primeiro Turco a ganhar o prestigiante prémio, e existiam rumores de que era considerado o favorito.
Fumador compulsivo, a maior parte das vezes afastado dos olhares públicos, escreve durante muitas horas num apartamento de Istambul com vista para a ponte sobre o Bósforo que liga a Europa à Ásia.

Nasceu em 1952 numa família próspera e secular, decidido a tornar-se pintor durante a juventude. Estudou arquitectura na Universidade Técnica de Istambul, mas mais tarde voltou-se para a escrita, estudando jornalismo em Istambul.
Publicou o seu primeiro romance premiado "O Senhor Cevdet e os Seus Filhos" em 1982, uma crónica familiar onde descreve a transferência de uma família de um ambiente tradicional otomano para um estilo de vida mais ocidental.
O seu segundo romance, "A Casa do Silêncio" foi publicado na Turquia em 1983, mas foi o seu terceiro livro, "A Cidadela Branca", publicado dois anos mais tarde, que lhe deu fama internacional. Estruturado como um romance histórico desenvolvido na cidade de Istambul do século XVII, "o seu conteúdo é primordialmente uma história sobre como o nosso ego se constrói em histórias e ficções de diversos tipos. A personalidade é mostrada como uma construção variável", revelou a academia sueca.


Em 2000, com o romance "O Meu Nome é Vermelho" - uma história de amor, assassínio misterioso e discussão sobre o papel do individualismo na arte - Pamuk explora a relação entre o Oriente e Ocidente, descrevendo a diferente relação de um artista com o seu trabalho em cada cultura.
O seu último livro, "Neve" foi aclamado pela crítica. A história tem lugar em Kars, uma vila fronteiriça, outrora uma cidade na fronteira entre o Império Otomano e o Império Russo.



"O romance torna-se uma história de amor e de criatividade poética, como se inteligentemente descrevesse os conflitos políticos e religiosos que caracterizam a sociedade turca dos nossos dias," comentou ainda a academia.
Pamuk receberá o Prémio Nobel no valor de 1,37 milhões de dólares e também uma medalha de ouro e um diploma, das mãos do rei sueco Carl XVI Gustaf numa cerimónia formal em Estocolmo no dia 10 de Dezembro, o aniversário da morte de Alfred Nobel, o fundador dos prémios Nobel em 1896. No ano passado a honra coube ao dramaturgo britânico Harold Pinter.
O prémio da literatura foi o quinto de seis prémios Nobel a serem entregues este mês, com os prémios da Medicina, Física, Química e Economia a irem para os Estados Unidos. O Prémio Nobel da Paz foi atribuído hoje a Muhammad Yunus do Bangladesh.
Pamuk estava em Nova Iorque, onde dá aulas na Universidade de Columbia como professor visitante, quando o prémio foi anunciado.



Numa entrevista ao canal CNN-Türk no ano passado, Pamuk disse que as cerimónias de entrega de prémios e as feiras do livro fizeram com que não terminasse um romance que começou há três anos atrás. O livro chama-se "O Museu da Inocência", desenrola-se na alta sociedade de Istambul e é sobre a paixão de um homem por uma mulher. "Escrevemos o romance político, agora escrevemos a história de amor," disse. Revelou também que espera terminá-lo no final deste ano.



Pamuk: "Este Nobel é para toda a Turquia, os Turcos e a língua turca"

Numa conferência de imprensa ontem, em Nova Iorque, onde está actualmente como professor visitante na Universidade de Columbia, Orhan Pamuk disse aos jornalistas que o Prémio Nobel da Literatura não foi só atribuído a ele, mas a toda a Turquia, cultura turca e língua turca. Disse: "Hoje só gostaria de celebrar esta boa notícia. Não há nada mais que eu queira dizer ou comentar." Referiu ainda que tinha recebido de manhã a notícia através de um telefonema da Academia Sueca. "O presidente da Real Academia Sueca telefonou-me e perguntou-me se eu aceitaria o prémio. Eu disse que sim."
Pamuk disse aos jornalistas esperar que o prémio permita desenvolver o perfil da literatura turca no mundo, e acrescentou: "Eu penso que este prémio vai fazer com que o mundo reavalie a cultura turca como uma cultura de paz e como uma mistura de culturas de Oriente e Ocidente. Os meus livros são a prova de que de facto a Turquia faz parte tanto do Oriente como do Ocidente."
Pamuk não aceitou responder a nenhumas questões sobre o controverso Código Penal Turco, nem sobre as suas anteriores declarações sobre o "genocídio" arménio e sobre confrontos culturais.



Turquia exaltada e dividida sobre a atribuição do Nobel

Se por um lado houve uma grande exaltação na Turquia por um Turco ter recebido um Prémio Nobel pela primeira vez, por outro lado, a conquista de Orhan Pamuk foi manchada por declarações de que o prémio foi um resultado directo da controvérsia em seu redor.
Pamuk, que em 1998 rejeitou o louvor do Estado turco de "Artista do Estado", foi julgado em tribunal no início deste ano, por declarações controversas que desafiaram a versão oficial dos massacres de Arménios que a Turquia diz não se tratar de um genocídio.
O caso, no qual se arriscou a uma pena de até três anos de prisão, foi encerrado em Janeiro deste ano, depois de uma única audição, perturbada por protestantes de extrema-direita que atacaram e vaiaram o autor. O julgamento foi precedido de ameaças de morte, e um governador de província ordenou a destruição dos livros de Pamuk – um movimento que o Governo cancelou de imediato, receoso de que as suas credenciais democráticas fossem impugnadas aos olhos da União Europeia.


Orhan Pamuk
Alguns oponentes até alegaram que a intenção de Pamuk seria um movimento calculado para reforçar a sua fama internacional e trazer o Prémio Nobel para as suas mãos.
Foi ironicamente o presidente francês Jacques Chirac que se manifestou feliz por Pamuk ter recebido o prémio pela sua escrita “inteligente, forte e liberal", mesmo antes do seu homólogo turco, Ahmet Necdet Sezer, ter feito qualquer comentário sobre o assunto.
Na Turquia, o vice-secretário de Estado do Ministério da Cultura e Turismo, Mustafa İsen, comentou: “Estou muito feliz e congratulo-o" acrescentando, "só me interessa Pamuk como romancista. As suas outras acções não são do meu interesse. Eu penso que ele é um bom romancista e acredito que ele ganhou este prémio pelos seus romances."


Orhan Pamuk
Ahmet İnsel, um académico proeminente e editor na Iletişim, editora turca de Pamuk, disse que o autor mereceu inteiramente o prémio pelas suas qualidades literárias. "Nós estamos muito felizes. Pamuk é um representante importante do romance moderno no mundo". Acreditamos que ele merece inteiramente o prémio", disse İnsel ao canal de televisão turco NTV. Relativamente à controversia que rodeia o autor, İnsel disse, "se olharmos para a longa história da atribuição dos prémios Nobel da Literatura, constatamos que os autores que ganharam, fizeram declarações políticas importantes sobre o futuro dos seus países e sobre o mundo. Pamuk ganhou o prémio como romancista. Isso é uma honra para a Turquia e para a literatura turca," disse.
Metin Celal, presidente do sindicato de editores turcos, disse que o sucesso de Pamuk irá tornar a literatura turca mais popular. "Este é um dia histórico. Eu acredito que irá desempenhar um importante papel na promoção da Turquia e da literatura turca, porque os escritores de todo o mundo estão agora curiosos sobre a literatura que criou,” disse ao canal de televisão CNN-Türk.


Orhan Pamuk
Buket Uzuner, uma popular autora turca, concordou. "Estou orgulhosa por um dos meus conterrâneos ter ganho o prémio," disse. "É irónico que Pamuk tivesse recebido o prémio no mesmo dia da votação na Assembleia Nacional Francesa. Mas o centro da questão, claro, é que ele é um bom romancista," disse.
O líder do Partido Republicano do Povo (CHP) Deniz Baykal, disse que a Turquia devia de estar orgulhosa da conquista de Pamuk, pelo menos porque ele mostrou a presença da literatura turca no palco internacional, acrescentando que “esse é o ponto onde temos de nos concentrar hoje.”
Zülfü Livaneli, romancista, compositor, cantor, deputado e amigo de Pamuk, disse que o prémio irá colocar a literatura turca no mapa mundial. "São notícias muito boas, as de que a literatura turca recebeu um Prémio Nobel," disse. "Não deveríamos avaliar isso na actual atmosfera política, mas olhar numa perspectiva de longo prazo. Este acontecimento vai mostrar que existe uma coisa que se chama literatura turca," disse.

quarta-feira, 11 de outubro de 2006

4.º Rali da Turquia

4.º Rally da Turquia

O 4.º Rali da Turquia, inserido na 13.ª volta do Campeonato do Mundo de Ralis, realizar-se-á em Kemer, em Antália, entre 12 e 15 de Outubro.
O campeonato é organizado pela TOSFED (Federação Turca de Desportos Automóveis e Motorizados) e recebe equipas mundialmente famosas.
Este rali, muito popular entre as equipas de rali turcas e estrangeiras, atingiu um total de 80 inscrições.
Este ano, uma vez mais, o rali vai acolher o Campeonato do Mundo de Rali Júnior.

Encontra aqui mais informações.

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Arif Mardin

Arif Mardin

Arif Mardin (1932-2006) está entre os mais importantes produtores musicais do século XX. Trabalhou com uma grande variedade de artistas de estilos diferentes, desde os "The Young Rascals" com o sucesso “Good Lovin”, "Wind Beneath My Wings" de Bette Midler, até trabalhos mais recentes com Barbra Streisand, Diana Ross, Patti Labelle e Jewel. Arif Mardin transcendeu géneros e contribuiu para muitos dos mais brilhantes trabalhos da música contemporânea.

Arif Mardin

Arif Mardin nasceu em Istambul, na Turquia, no seio de uma conhecida família de estadistas, diplomatas e líderes na área cívica, militar e de negócios do Império Otomano e da República turca. O seu pai era sócio de uma empresa de exploração de petróleo e gás e a sua irmã, Betül Mardin, é hoje a "grande dama das relações públicas”.
Cresceu a ouvir Bing Crosby e Glenn Miller. Conheceu o amigo da sua irmã, Cüneyt Sermet, baixista, crítico de jazz e seu mentor, e começou a ouvir e a interessar-se por jazz.
Depois de se ter licenciado na Universidade de Marmara (Istambul) em comércio, estudou na Escola de Economia de Londres (London School of Economics).
Foi influenciado pela música que a sua irmã ouvia, tornando-se um fanático de jazz auto-didacta, um perfeito orquestrador e arranjador, nunca tentando, no entanto, seguir uma carreira na área da música. Contudo, o seu destino mudou em 1956, quando conheceu os músicos de jazz americanos Dizzy Gillespie e Quincy Jones, num concerto em Istambul. Nessa altura, enviou três composições demo ao seu amigo Tahir Sur que trabalhava numa estação de rádio nos EUA. Sur levou essas composições a Quincy Jones, e Mardin tornou-se o primeiro a receber a Bolsa de Estudo Quincy Jones na Escola de Música Berklee (Berklee College of Music), em Boston.
Em 1958, ele e a sua noiva Latife, mudaram-se de Istambul para Boston. Depois de se ter licenciado em 1961, ensinou em Berklee durante um ano e foi para Nova Iorque tentar a sua sorte. Mais tarde, tornou-se depositário da escola e foi galardoado com o doutoramento honorário.
Mardin começou a sua carreira na Atlantic Records em 1963, como assistente do seu compatriota turco Nesuhi Ertegün, o irmão do co-fundador da companhia e um entusiasta do jazz, que conheceu no "Newport Jazz Festival". Evoluiu rapidamente na companhia, tornando-se director do estúdio, produtor da marca e arranjador. Em 1969, tornou-se vice-presidente e mais tarde vice-presidente sénior até 2001. Trabalhou em muitos projectos com o co-fundador Ahmet Ertegün e Jerry Wexler, duas lendas responsáveis pela fundação do "Atlantic Sound". Arif Mardin reformou-se da Atlantic Records em Maio de 2001, e reactivou a sua marca "Manhattan Records".


Arif Mardin
Durante os ultimos 36 anos trabalhou com inúmeros artistas de sucesso, incluindo Howard Jones, Carly Simon, "The Young Rascals", Bette Midler, Barbra Streisand, Diana Ross, Patti Labelle, Average White Band, Anita Baker, the Bee Gees, Judy Collins, Phil Collins, Culture Club, Roberta Flack, Aretha Franklin, Hall & Oates, Donny Hathaway, Norah Jones, Chaka Khan, Melissa Manchester, "The Manhattan Transfer", "Modern Jazz Quartet", Willie Nelson, John Prine, Scritti Politti, Queen, Dusty Springfield, David Bowie, Jewel, Ringo Starr e muitos mais.
Na sua carreira de mais de 40 anos, coleccionou mais de 40 álbuns de ouro e platina, mais de 15 nomeações para os Grammy e 12 prémios Grammy.
Em 1990, Arif Mardin entrou para o Corredor da Fama da Academia Nacional das Artes e das Ciências da Gravação (National Academy of Recording Arts and Sciences - NARAS).

Arif Mardin
Em 1994, na comemoração do seu 30.º aniversário com a Atlantic Records, recebeu um tributo especial da revista Billboard.
Em 3 de Dezembro de 1997, Arif recebeu o prémio "NARAS Heroes" das mãos de Ahmet Ertegün.
Mardin morreu na sua casa em Nova Iorque a 25 de Junho deste ano, depois de uma batalha prolongada contra um cancro no pâncreas. Está sepultado em Istambul.
O vice-presidente da Atlantic Records, Ahmet Ertegün, disse sobre Arif Mardin: "Num negócio muitas vezes conduzido pelas tendências e pela moda, Arif manteve-se um artista verdadeiro, um homem com um talento musical incrível. Ao contrário de muitos outros produtores, Arif não tem só um tipo de sonoridade nos seus discos. Pelo contrário, ele criou um ambiente único para cada artista, com uma excepcional qualidade e gosto. Como resultado, durante mais de três décadas, ajudou cantores e músicos de diferentes estilos a fazerem o melhor das suas carreiras."

domingo, 8 de outubro de 2006

Uma música e um pouco da alma turca

Exposições em Ancara

Galeria de Arte Sevgi

Exposição de cerâmicas de Zehra Çobanlı - até 20 de Outubro
Cinnah Cad. Mesnevi Sok. Nº 5/1, Çankaya

Centro de Arte Krişna
Exposição de pintura de Roberto Rubio Culebro - até 29 de Outubro
Kennedy Cad. Nº 29/3, Kavaklıdere

Galeria de Arte Gözde
Exposição de pintura de Uğur Çalışkan - até 30 de Outubro
Kuzgun Sokak Nº 74/A, Ayrancı

Beyaz Sanat
Pinturas de Gülay Yüksel e esculturas de Orhan Algök - até 31 de Outubro
Mesnevi Sokak Nº 38/C, Ayrancı

Galeria de Arte da Biblioteca da Universidade de Bilkent
Exposição de pintura de Marek Brzozowski - até 31 de Outubro

Galeria Nev
Exposição de litografias de Pierre Alechinsky - até 1 de Novembro
Gezegen Sok. Nº 5, G.O.P.

terça-feira, 3 de outubro de 2006

Festival de Jazz Akbank - de 4 a 14 de Outubro


Os festivais de jazz Akbank, estão entre as actividades mais importantes do jazz moderno. O 16.º Festival de Jazz Akbank, patrocinado pelo banco turco Akbank, é dedicado este ano a Arif Mardin, o famoso produtor musical que desapareceu recentemente. O festival tem um programa rico, com a participação de 130 artistas. Os amantes do jazz irão ter uma vez mais a oportunidade de ouvir alguns dos melhores músicos de jazz, tais como Kurt Elling, Gonzalo Rubalcaba, João Bosco, Lou Donaldson e Dr Lonnie Smith. Para além das actuações em Istambul, fazem parte do programa dois concertos em Ancara e em Izmir. Destaco a presença neste festival do Brasileiro João Bosco. Para mais detalhes sobre a carreira deste músico, pode visitar o seu site oficial aqui.

Os locais dos concertos são:

Istambul - Igreja de Santa Irene (Aya Irini), Sala de Espectáculos Cemal Reşit Rey (CRR), Centro de Espectáculos Babylon, Centro de Espectáculos Yeni Melek e Centro de Artes Akbank (Akbank Sanat Merkezi).

Ancara - Salão MEB Şura.

Izmir - Centro Cultural Atatürk.

Vão ainda decorrer workshops no Centro de Artes Akbank (Akbank Sanat Merkezi), para além de "A Hora do Jazz", todos os dias no café, no 4º andar, entre as 18 e as 19 horas.

Os bilhetes podem ser adquiridos nos postos de venda do Cemal Reşit Rey, Centro de Artes Akbank (Akbank Kültür Sanat Merkezi) e Babylon e o preço varia de acordo com o espectáculo.
Pode obter informações mais detalhadas aqui.

Programa

Quarta-Feira, 4 de Outubro de 2006
20:30 Kurt Elling - Aya Irini (Igreja de Santa Irene)
22:00 Dave Burrel - Babylon

Terça-Feira, 5 de Outubro de 2006

18:00 Workshop - Dave Burrell – Centro de Artes Akbank
21:30 Acústico Ladyland & Polar Bear - Babylon

Sexta-Feira, 6 de Outubro de 2006

19:30 Quinteto de Clarinete Uzel Ametist – Akbank Kültür Sanat Merkezi
23:00 Alice Rusell apresenta TM Juke e DJ Live Quantic - Babylon

Sábado, 7 de Outubro de 2006

19:30 Candy and Milkshake – Akbank Kültür Sanat Merkezi
20:00 Ayşe Tütüncü Trio - Babylon
22:00 Psapp - Yeni Melek
23:00 Quarteto Ramon Valle - Babylon
23:00 King Britt apresenta Nova Dream Sequence "Live" - Yeni Melek

Domingo, 8 de Outubro de 2006

19:00 Alvin Curran, Fred Frith, Cenk Ergün - Babylon
21:00 Cazyapjazz - Babylon

Segunda-Feira, 9 de Outubro de 2006

20:30 Dhafer Youssef & Divine Shadows Strings – Centro Cultural Atatürk, Izmir

21:30 El Pluma Band "William Cardoso Project" - Babylon

Terça-Feira, 10 de Outubro de 2006

20:30 El Pluma Band "William Cardoso Project" – Centro Cultural Atatürk, Izmir
20:30 Dhafer Youssef & Divine Shadows Strings – Salão MEB Şura, Ancara
21:30 Supersilent - Babylon

Quarta-Feira, 11 de Outubro de 2006

20:30 El Pluma Band "William Cardoso Project" – Salão MEB Şura, Ancara
20:30 Dhafer Youssef & Divine Shadows Strings – Sala de Espectáculos CRR
21:30 Cuong Vu & Scratch - Babylon

Quinta-Feira, 12 de Outubro de 2006

19:30 Yurdal Çağlar Trio – Akbank Kültür Sanat Merkezi
20:30 Lee Konitz & Ohad Talmor String Project apresentam The Spring String Quartet – Sala de Espectáculos CRR
22:00 Birdy Nam Nam - Babylon

Sexta-Feira, 13 de Outubro de 2006

19 :00 João Bosco & Gonzalo Rubalcaba – Sala de Espectáculos CRR
21:30 Septeto Richard Galliano "Piazzola Forever" - Sala de Espectáculos CRR
19:30 Islak Köpek (Cão Molhado) - Akbank Kültür Sanat Merkezi
23:00 Orient Expressions (Expressões do Oriente), Immer Demirer, Leo Tardin - Babylon

Sábado, 14 de Outubro de 2006

19:00 Wadada Leo Smith & Süleyman Ergüner : Tablight - Sala de Espectáculos CRR 21:30 Quarteto Lou Donaldson apresenta Dr. Lonnie Smith - Sala de Espectáculos CRR19:30 Atmosfer - Centro de Artes Akbank
23:00 Nicolas Repac "Swing Swing" - Babylon

Locais dos Concertos:

Akbank Kültür Sanat Merkezi
Istiklal Caddesi, 14-18, Taksim, Istambul

Aya Irini (Igreja de Santa Irene)
Jardim do Palácio Topkapı - Sultanahmet, Istambul

Babylon
Şeyhbender Sokak, 3 - Tünel-Asmalımescit, Istambul

CRR – Sala de Espectáculos Cemal Reşit Rey
Darülbedai Caddesi - Harbiye, Istambul

Yeni Melek Gösteri Merkezi
Istiklal Caddesi, Gazeteci Erol Dernek Sokak, 13 - Galatasaray - Beyoğlu, Istambul

Atatürk Kültür Merkezi - Izmir ( Centro Cultural Atatürk)
Mithat Paşa Caddesi, 92 - Konak, Izmir

Salão MEB Şura - Ancara
Muammer Yaşar Bostancı Caddesi MEB Kampüs, K Blok - Beşevler, Ancara

Kızılay Büyülü Fener

Kızılay Büyülü Fener
Abriu em Ancara o Kızılay Büyülü Fener Sinema ve Kültür Merkezi (Centro de Cinema e Cultura Kızılay Büyülü Fener). Está equipado com 11 salas de cinema com a mais moderna tecnologia, e tem capacidade para 1000 pessoas. O local será utilizado para organização de galas, workshops, espectáculos, conferências, debates, exposições, exibição das últimas estreias cinematográficas, entre outros eventos. Na "Casa das Artes" vão ser exibidos filmes que estão em cartaz no Museu de Arte Moderna de Istambul. O recinto tem também um café e um parque automóvel.

Ankara Kızılay Büyülü Fener Sinema ve Kültür Merkezi - Meşrutiyet Caddesi Hatay Sokak, nº 18, Kızılay - Ancara.